.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Maio 2018

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.posts recentes

. O VERDADEIRO E O MENTIROS...

. SAUDADES DUMA VELHINHA

. MEU DEVANEAR

. DO VENTO NORTE ME LEMBREI

. AVE SOLITÁRIA

. ESCRAVO DA AMBIÇÃO (O EGO...

. A SUPORTAR O MAL

. OLHANDO O SEU PASSADO

. AMOR É DOCE MOSTO NUM SER

. DISCURSOS SÃO PALAVRAS BU...

.arquivos

. Maio 2018

. Janeiro 2018

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Setembro 2016

. Fevereiro 2016

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Janeiro 2015

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Março 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

.favorito

. INTRANQUILO

blogs SAPO

.subscrever feeds

Quinta-feira, 22 de Fevereiro de 2007

ILUSÃO POÉTICA

Poeta talentoso eu queria ser
Como o foram Bocage ou Camões
P'ra inundar d'amor os corações
Com versos de enternecer
 
Neles semeando ternura p'ra nascer
Pujante entre todas as gerações
A uni-las nas suas alegrias ou desilusões
Mas sempre com ternura a florescer
 
Versos de ternura lançando na Terra
Deus fortalecendo-a com mais a sua ternura
Amordaçando o ódio e a guerra
 
Que só geram amargura
Como a de eu não ser e me desespera
Igual a Bocage ou Camões, minha loucura
                  João M. Grazina (Jodro)
                      
Meditabundo: Como se depreende, eis os poetas
que mais gosto, neles enlevado sonho ser poeta,
mas fico tão longe das suas composições sublimes
que me considero um insignificante na matéria,
um ... nada !
                                                     "Jodro"               
publicado por CAMAGE às 16:43

link do post | comentar | favorito

MINHA INTERROGAÇÃO

   Penso naqueles que repleta de tormentos
   Sua vida, neles, amargurados morreram,
   Homens que com lágrimas escreveram
   Génios imortalizando seus pensamentos
 
   E a poesia sublime dos talentos
   De Camões e de Bocage me ocorreram
   Que esquecidos, na miséria pereceram,
   Da sorte, só colheram pequenos fragmentos
 
   E Camilo p'la cegueira torturado
   António Nobre com a morte espreitando
   Antero suicidando-se desmotivado
 
   E eu em mais infelizes meditando
   Interrogo meu ser magoado
   De que serve viver sempre penando?
 
                     João M. Grazina (Jodro)
 
   Meditabundo: Foi deveras comovido que concebi
   este poema, sensibilizado pelo infortúnio dos génios
   literários portugueses (poetas e prosadores) que ali
   menciono.
   A recordar todos com carinho, me invade a melancolia.
 
                                                            "Jodro"
publicado por CAMAGE às 15:53

link do post | comentar | favorito
Quarta-feira, 21 de Fevereiro de 2007

MINHA POESIA PROCURA SER JUSTA E CASTA

Talvez pensem que faço poesia sem sentido
Sem qualquer rumo ou direcção
Mas é assim que a sente o meu coração
Nesta loucura da vida, perdido
 
Podem julgar-me descabido
Mas sinto-a, engendro-a com emoção,
Em puro devaneio da imaginação
Mas de verdades dum passado já ardido
 
Procuro qu'a poesia que de meu ser emane
Mesmo que uns satisfaça e outros dane
Seja p'ra todos justa e casta
 
P'ra isso rogo inspiração à minha musa
E veia poética com alma lusa
Um pouco de Camões me basta
 
                João M. Grazina (Jodro)
Meditabundo: Apaixonei-me pela poesia,
quando ainda jovem comecei a beber o
néctar delicioso que brota dos poemas do
grandioso Luís de Camões, razão porque
poesia me dedico a tecer, comparativamente,
terei o brilho da luz duma humilde vela e ele
(Camões) a do majestoso Sol.
 
                                              "Jodro" 
publicado por CAMAGE às 20:45

link do post | comentar | favorito
Segunda-feira, 12 de Fevereiro de 2007

CAMÕES, GENIAL POETA

   
Camões Portugal cantando
     Como só ele cantar sabia
     Voz sonorosa que para lá do mar ia
     Até mais alta que Adamastor vociferando
 
     A lusa raça heróica elevando
     Que nem o furioso mar deteria
     Que com arrojo e destemor venceria
     Com o genial poeta seus feitos exaltando
 
     Sua poesia um cântico de amor
     Um hino sentimental ameno sedutor
     Do coração ardoroso a cantar
 
     Inebriado de sensibilidade
     Para poemas à Humanidade
     Compondo divinamente lhe ofertar
 
                     João M. Grazina (Jodro)
 
             Meditabundo:  Camões, a mais fulgente
                       estrela poética do grupo estelar da
                       língua portuguesa.
                                                           
                                                            "Jodro"
publicado por CAMAGE às 17:44

link do post | comentar | favorito

A CAMÕES

 Camões, foste e sempre serás,
      O maior poeta entre os maiores
      E um dia ressuscitarás
      E haverá para ti destinos melhores
 
      Não terás mais solidão
      Antes um grande amor que te anime
      E teus versos se soltarão
      De ti, com perfume sublime
 
      Com eles afogarás teu passado
      No todo que foi amargura
      E d'uma bruma d'amor serás rodeado
      Em êxtases de íntima doçura
 
      E a deusa Vénus que em vão procuraste
      E que só te teceu desilusões
      Ciciar-te-à no escuro onde tombaste
      Levanta-te e sê feliz Camões
                           
                  João M. Grazina (Jodro)
 
          Meditabundo: Foi profundamente comovido
                    que imaginei e lavrei este poema, ao
                    ler o soneto de Camões em que o pri_
                    meiro verso diz "O dia em nasci moura
                    e pereça", que me deixou deveras  amar_
                    gurado a cismar nos infortúnios do infeliz
                    poeta, até na morte, em vez de dourada
                   cama que como sublime poeta e bravo
                   soldado merecia, iniciou o sono eterno em
                   miserável  enxerga.
                   Absurdos em que o destino é fértil !
 
                                                       "Jodro" 
publicado por CAMAGE às 13:35

link do post | comentar | favorito
Sexta-feira, 9 de Fevereiro de 2007

O APOGEU DE LUÍS DE CAMÕES

 
De Luís de Camões admirador profundo

Seus poemas divinos enlevado leio

O maior poeta de Portugal, creio,

E um dos maiores génios poéticos do mundo

 

Seu estro sublime fecundo

Tocado por Deus ao mundo veio

O fez poeta genial e p'ra seu devaneio

Também soldado e vagabundo

 

Bravo soldado pela Pátria lutou

D'alma desfeita p'lo Oriente vagabundeou

Na esp'rança de colher bem só mal colheu

 

Mas sempre a sua obra prima em mente

Contra os reveses talhou persistente

Os Lusíadas, poema do seu apogeu

 

            João M. Grazina (Jodro)

 

   Meditabundo: Camões, a mais fulgente

   estrela poética do grupo estelar formado

   por todas as estrelas da poesia portuguesa

 

                                            (Jodro) 

publicado por CAMAGE às 19:55

link do post | comentar | favorito
Quarta-feira, 7 de Fevereiro de 2007

MEU POETA QUERIDO

                  

Luís de Camões meu poeta querido
Olho-te no mais alto pedestal da poesia
Ainda muito jovem já assim te via
Quando a ler teus poemas embevecido
.
Vives em minha alma infindo
Às vezes confesso como gostaria
Ter o génio sublime que te cingia
Que semeaste p'lo Mundo enternecido
.
Ó meu poeta qu'a vida repartiste
Em pedaços p'lo Mundo desolado triste
Tolhido p'lo infortúnio, p'la incerteza,
.
Ó meu poeta que p'ra de fomes não morreres
Alguém p'ra ti esmolou até pereceres
Tu! o maior poeta da língua portuguesa!
 
          João M. Grazina (Jodro)
                  
Meditabundo: O porquê deste poema? Porque
Camões é o poeta do meu coração e enlevado
na sua genial poesia lhe concebi o presente
poema.
                                     "Jodro"         
publicado por CAMAGE às 17:49

link do post | comentar | favorito