.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Setembro 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

.posts recentes

. AVE SOLITÁRIA

. ESCRAVO DA AMBIÇÃO (O EGO...

. A SUPORTAR O MAL

. OLHANDO O SEU PASSADO

. AMOR É DOCE MOSTO NUM SER

. DISCURSOS SÃO PALAVRAS BU...

. A FELICIDADE QUE IDEALIZO...

. INCÓGNITA HUMANA

. INOCENTES ROLAS

. A INCERTEZA

.arquivos

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Setembro 2016

. Fevereiro 2016

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Janeiro 2015

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Março 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

.favorito

. INTRANQUILO

blogs SAPO

.subscrever feeds

Terça-feira, 5 de Setembro de 2017

AVE SOLITÁRIA

Era domingo à tarde, uma ave no céu voava,
Isolada, sózinha, perdida parecia,
Me pareceu triste despida d'alegria
Sem rumo, talvez seu abrigo procurava
 
Enquanto a solitária ave avistava
Até que no horizonte desaparecia
Me interrogava me afligia
Será qu'o abrigo p'ra seu bem encontrava?
 
Ou teria a fatídica sorte
De se ir abrigar nos braços da morte
Por tiro certeiro de caçador atingida?
 
P'la sua vida  a Deus me pus a suplicar
Para mais domingos à tarde a ver voar
Com a alma enternecida
 
          João M. Grazina (Jodro)
 
 
publicado por CAMAGE às 20:01

link do post | comentar | favorito
|
Quarta-feira, 30 de Agosto de 2017

ESCRAVO DA AMBIÇÃO (O EGOÍSTA)

Meu poema marejado de tristeza
Que concebo desalentado
Por não ver o Homem sensibilizado
Em pleno, ao bem à justeza
 
Seu coração de egoísmo lateja
A ele em absoluto devotado
Pela ambição arrastado
Com desprezível baixeza
 
E no egoísta me consagro a meditar
Ganancioso tudo p'ra si a desejar
O que me desola o coração
 
E quer faça ou não sentido
Estou em pleno convencido
Que será sempre escravo da ambição
 
         João M. Grazina (Jodro)

 

publicado por CAMAGE às 11:43

link do post | comentar | favorito
|
Quarta-feira, 9 de Agosto de 2017

A SUPORTAR O MAL

Temos que na vida suportar
O mal que em qualquer momento
Nos surpreende e de ódio sedento
Se regozija em nos massacrar
 
Amordaçando a alegria em nós a vibrar
Que nos deixa em profundo abatimento
Desalentados em sofrimento
Que sem remédio temos de aceitar
 
E rogamos a Deus aventurança
Em prece perfumada d'esperança
P'ra qu'o mal que nos aflige seja debelado
 
Mal que na Terra para sempre dura
A originar ao Homem amargura
Que suporta em triste fado
 
         João M. Grazina (Jodro)
publicado por CAMAGE às 11:37

link do post | comentar | favorito
|
Terça-feira, 11 de Julho de 2017

OLHANDO O SEU PASSADO

Seu passado lá longe, na distância,
Fica o velho homem a olhar
Coisas boas  que o tocaram a recordar
Também as más lhe vêm à lembrança
 
Viveu sempre abraçado à esperança
Por altos e baixos da vida a passar
Alguns mais suaves para amenizar
As canseiras qu'o destino sempre lança
 
E meditando o velho homem
Em mágoas  qu'o consumiram  e consomem
Que abafam o que até hoje lhe deu prazer
 
E se não tem mais infância nem juventude
Nem meiga mãe p'ró beijar com solicitude
Murmura para que lhe serve o viver
 
         João M. Grazina (Jodro)
 
 
publicado por CAMAGE às 18:27

link do post | comentar | favorito
|
Quinta-feira, 29 de Junho de 2017

AMOR É DOCE MOSTO NUM SER

O amor fermenta em todo o ser
É doce mosto nele a fervilhar
Para quando a vinho chegar
Solícito a todos oferecer
 
A dar-lhes contente a beber
A dar-lhes seu gosto a provar
E com ele todos embriagar
Com alegria a bem fazer
 
Incitá-los a cantar com devoção
Em frenético coro a mesma canção
Até os ouvidos ferir de amizade
 
E unidos pelo amor combinando
Chamar ao canto que vão entoando
A canção da solidariedade
 
          João M. Grazina (Jodro)
publicado por CAMAGE às 11:54

link do post | comentar | favorito
|
Sábado, 10 de Junho de 2017

DISCURSOS SÃO PALAVRAS BURILADAS

Ouvi discursos seguidamente
E saturado de ouvir tanto arrazoar
Comecei por versos no papel lavrar
Como os sei sinceramente
 
É para meu ser displicente
O discurso, gosto mais de dialogar,
Nele vamos logo ou não concordar
Discurso é modo de bradar falsamente
 
Porque se prepara o palavreado
Atentamente engendrado
Como se fosse a razão, a verdade,
 
Burilado num só interesse
Como se só ao orador lhe apetecesse
Ter por todos solidariedade
 
          João M. Grazina (Jodro)
publicado por CAMAGE às 20:06

link do post | comentar | favorito
|
Sábado, 20 de Maio de 2017

A FELICIDADE QUE IDEALIZO JAMAIS ALCANÇO

Há laranjeiras em pujança a florir
Em deslumbrante beleza
P'los laranjais germinados na Natureza
Da Terra, qu'as vê felizes a subir
 
Suas verdes folhas ao Sol a fulgir
E brancas flores ele beija com leveza
Qu'elas retribuem na sua singeleza
Com pétalas amenas p'ra ele a abrir
 
Laranjeiras que perfumam de suaves odores
Que brotam das suas lindas flores
Toda a atmosfera circundante
 
Que aspiro fremente de ansiedade
Esse raro momento de felicidade
Sempre de mim, como idealizo, distante
 
         João M. Grazina (Jodro)
publicado por CAMAGE às 16:06

link do post | comentar | favorito
|
Quarta-feira, 3 de Maio de 2017

INCÓGNITA HUMANA

Vestida e calçada a preceito
Ou a esse princípio indiferente
Vagueia pela Terra qualquer gente
Sem que o vestir denote moral defeito
 
Nem o coração que traz no peito
Que sensível lhe domina a mente
Exterioriza a inclinação que sente
Se caráter maligno ou perfeito
 
Trajar mal ou bem nada significa
Nem rosto sério ou sorridente indica
O que vai no coração de qualquer pessoa
 
Tantas vezes uma atraente figura
Esconde a falsidade com finura
Não se lê na cara quem é ou não boa
 
          João M. Grazina (Jodro)
 
 
 
publicado por CAMAGE às 18:10

link do post | comentar | favorito
|
Domingo, 30 de Abril de 2017

INOCENTES ROLAS

Frágil rola que voavas diligente
Em direção ao teu ninho no pinheiro
Que urdiras com teu companheiro
Onde chocaras teus ovos contente
 
Mas tombaste moribunda mesmo em frente
De teus filhos que aguardavam teu amor inteiro
Atingida por tiro certeiro
De caçador, fria e cruelmente
 
Teus filhos ficaram de bicos abertos
Aguardando ávidos que lhes desses a migalha
Que não mais surgiu e com dias funestos
 
Definharam na morte que todos emalha
Seu pai já morrera por desígnios  incertos
E o doce ninho formou piedosa mortalha
 
          João M. Grazina (Jodro)
publicado por CAMAGE às 16:01

link do post | comentar | favorito
|
Sexta-feira, 28 de Abril de 2017

A INCERTEZA

A incerteza me arrasta
Em delírios de loucura
Da solidariedade me afasta
Mas eu só queria dar ternura!
 
Bondade em mim me apetece
Em catapultas d'amor
Mas olho à volta e fenece
Minha vontade e ardor
 
Vejo sorrisos malévolos
Prontos para escarnecer
E meus desejos, incrédulos,
Destroem em mim o querer
 
E em pensamentos meus
Que me turbam o semblante
Neles a dúvida em Deus
É meu tormento constante
 
Meu coração desfalece
Desorientado, perdido,
Envio-te, Senhor, uma prece
E caio em mim confundido
 
          João M. Grazina (Jodro)

 

publicado por CAMAGE às 20:34

link do post | comentar | favorito
|